Eventos | 07 a 08 de outubro de 2017

JORNADAS CLÍNICAS

07 a 08 de outubro de 2017
Hotel Plaza São Rafael - Porto Alegre/RS

Inscrições estarão abertas em breve!!!

Dias 7 e 8 de Outubro de 2017

Jornadas Clinicas da APPOA
Resistências e Subversões:
O sujeito em questão

Hotel Plaza São Rafael

Lacan, ao afirmar que "o inconsciente é a política", indica que deste campo os psicanalistas não podem se furtar. Ao incluir a dimensão do inconsciente, as escolhas dos homens passam a não estar mais referidas apenas a decisões de ordem moral: elas se dão no conflito entre o desejo e o gozo, implicando a responsabilidade do sujeito por seu sintoma e por seu ato. Sendo assim, a ética da psicanálise não tem um ideal a sustentar. Trata-se da ética do bem-dizer.

O sujeito que fala a um psicanalista é tributário dos efeitos de discursos que organizam o laço social. A psicanálise trabalha, portanto, com essa complexa relação entre o singular, da ordem das inscrições primeiras no corpo, e o coletivo. Ao afirmar que o inconsciente é o discurso do Outro, reconhecemos a importância da escuta do que se produz na polis.

Na atualidade, temos acompanhado o fortalecimento de uma lógica totalitária que, em nome do bem coletivo, promove formas de coação cujos efeitos transcendem o âmbito social, se fazendo notar também na economia psíquica dos sujeitos.

O que é possível pensar e inventar para resistir a esses discursos que se pretendem totais e subverter essa tendência à prevalência da lógica perversa que eles instauram? Quais formas de resistência e subversões temos encontrado para fazer frente às tentativas de domesticação do sintoma promovidas pelo discurso capitalista? Essas e outras questões renovam a discussão sobre os desafios que se colocam à clínica psicanalítica na atualidade, sustentando nosso trabalho de escuta do sujeito do inconsciente - subversivo desde sua descoberta por Freud.

Trabalhos já confirmados:

O diafragma do discurso: Totalidade e totalitarismo
Alfredo Jerusalinsky

A cena e mundo: atuações que repetem, atos que rompem
Ana Costa

Ficções rebeldes - trilhos, ilhas, agulhas 
Edson Luiz André de Sousa

Onde há resistência há sujeito: Sobre Antígona e a ética
Heloisa Marcon

A psicanálise na cidade: pensando e operando para resistir e subverter
Jorge Broide

Uma clínica que transborda
Maria Ângela Bulhões

O futuro de uma desilusão: ética e política no nosso tempo
Miriam Debieux Rosa

O lado esquerdo da mesa: ética e transgressão
Norton Cezar Dal Follo da Rosa Júnior

O silêncio dos inocentes
Paulo Gleich

O gozo como conceito político ou Por que a psicanálise não inventou novos prazeres?
Vladimir Safatle



voltar